Poética do Descobrimento

Poética do Descobrimento

Preço
R$ 49,00

Calcule o Frete
Compartilhe:

Autora: Regina Célia da Silva Costa

Formato: 14 x 21 cm

372 páginas

ISBN 978-85-7884-179-9

Orelha de Cristiane Costa (coordenador do curso de jornalismo ECO/UFRJ)

Sinopse:

O livro Poética do Descobrimento, originalmente uma tese de doutorado da professora Regina Célia da Silva Costa, tem como foco os relatos de viajantes portugueses e de outras nacionalidades que estiveram no Brasil durante o século XVI, notadamente a partir da aventura da França Antártida, que mobilizou a coroa portuguesa na defesa do território brasileiro. A partir da diversidade encontrada na paisagem e no contato com os nativos e seus costumes, esses viajantes inauguram uma surpreendente dimensão de mundo, criando discursos e oferecendo diferentes imagens do novo território encontrado.
Dividido em quatro capítulos – Navegar, Fixar, Habitar e Digerir –, o texto procura oferecer um panorama da trajetória dos portugueses em direção ao Brasil, seguido do processo inicial de exploração e colonização.  São registrados, entre outros temas, a ideologia paradisíaca medieval, sintetizada na utópica Ilha Brasil, a transposição do temível oceano Atlântico, a cartografia, a pirataria na baía de Guanabara, bem como o sistema de fortificações implantado pelos colonizadores e o papel do índio Araribóia, personagem especial que transita entre duas culturas: a sua própria e a estrangeira. Na sequência, a autora analisa as permutas culturais entre os espaços selvagens, a gastronomia e a sexualidade que, num processo contínuo ao longo dos séculos, contribuíram para a constituição de uma nacionalidade que se integra através das diversidades.  
O livro aborda várias áreas do conhecimento, como história, literatura, filosofia, artes, sociologia e antropologia, para a construção de uma poética sobre a invenção identitária brasileira. Regina Costa defende a existência do Brasil, a partir de sua descoberta, como espaço onírico de existência, repercutindo na Europa renascentista. Desde seus primórdios, a terra brasileira ocuparia um lugar de destaque no imaginário ocidental como um espaço ao mesmo tempo paradisíaco e antropofágico, onde se conjugaria o maravilhoso e o demoníaco.  Ainda hoje, em pleno século XXI, mais de 500 anos após a descoberta de nossa terra, somos, segundo ela, a atualização constante daquilo que constituímos e que nos constituiu.

Peso (kg)
0,375